30 março 2007

Para ler e reflectir!!!



Os Forcados valorosos e corajosos homens que saltam para a arena envergando a jaqueta das ramagens e um barrete verde, com as mãos vazias e a alma cheia, executam a difícl arte de pegar os toiros. Um grupo de forcados é, antes de mais, um grupo de amigos com uma paixão em comum, o gosto de pegar toiros. O ambiente que envolve o grupo na tarde em que vai pegar é de contagiante alegria e começa muito antes do toque para saltar a arena, quando todos se reúnem para trajar de forcado, calção, jaqueta, cinta vermalha e barrete. No caminho que leva à praça, por onde vai outra gente, misturam-se os forcados com ela, é uma alegria para os olhos o colorido que trazem e uma comoção para a alma as emoções que suscitam.
Mantém-se coeso o grupo durante toda a corrida, coeso porque está junto, unido e solidário. Não é ninguém o forcado não estando o grupo com ele. É o cabo, que comanda o grupo a figura primeira, todos sabem que depende dele, das decisões que toma o êxito que o grupo vai ter, toda a gente o respeita, pelo que é e pelo que sabe e não se discute o que ordena, a obediência é uma sujeição assumida, a hierarquia é a base da segurança nestes momentos de risco.
Saiu o toiro do curro e todos repetidamente se benzem. Não vêem os olhos outra coisa, durante o tempo da lide, que não seja o toiro que ali está, como é, como investe, se tem casta ou é manso, como irá comportar-se tendo o forcado na frente. E mais que todos o cabo atenta em tais características e é em função delas que decide, pouco antes de tocar para pegar, quem vai para a cara e quem faz as ajudas sucessivas. Toca o cornetim e grupo salta para a arena de barrete na mão com o sorriso nos lábios e fé para o meio da arena cita e bate palmas aos toiros, enquanto isso as mulheres rezam nas bancadas para que a pega seja grandiosa e sem feridos.
A pega é um acto artístico que tem de ter beleza e emoção, no pôr o barrete, no citar, no enfrentar, no pegar. E é, dizem os forcados, um prazer indescritível fechar-se um homem na cara do toiro, e ir pela praça fora, aguentando os derrotes, até o grupo acudir e tudo se consumar. É esse prazer enorme que leva o forcado à praça, arriscando a própria vida

1 comentário:

CARLOS LOPES disse...

UMA FOTO MINHA ALELUIA!!!!! UM ABRAÇO